Archive for the ‘Alessandro’ Category

A Criação do Sol, da Lua e dos Planetas

junho 13, 2010
Criação do Sol, da Lua de dos Planetas

Criação do Sol, da Lua de dos Planetas

Michelangelo Buonarroti (1475 – 1564) foi um dos maiores pintores do Renascimento. Na verdade, sua biografia nos diz que além de pintor, ele foi escultor, poeta e arquiteto. Sem dúvida nenhuma, foi um dos maiores gênios que a humanidade já revelou. Ele é mais conhecido pelas pinturas que realizou na Capela Sistina, principalmente a parte do Juízo Final.

Aqui apresento, logo acima, uma de suas obras nem tão conhecidas assim: “A Criação do Sol, da Lua e dos Planetas”.

Nesta pintura acima, que também é um dos afrescos que estão no teto da Capela Sistina, vemos duas situações distintas. A primeira, à direita, trata do momento da criação do Sol (esfera alaranjada) e da Lua (esfera cinza) por Deus. A segunda situação, à esquerda, trata da criação das árvores e plantas.

A parte das plantas está à esquerda da criação do Sol e da Lua porque, segundo os relatos bíblicos, o Sol e a Lua foram criados no quarto dia, enquanto que as plantas foram criadas no terceiro dia, um dia antes portanto.

Notem que, no momento em que Deus trabalhava na criação das plantas e segundo a visão artística de Michelangelo, houve um pequeno descuido da parte do criador que acabou mostrando mais do que devia.

Segundo o livro de Êxodo (capítulo 33, versículo 20), Deus disse à Moisés (ainda lembro bem!): “Não podes ver a minha face, porque homem algum pode ver-me e continuar vivo”. Bom, a face pode ser…

Dia das Mães: Quando Me Lembro

maio 7, 2010

Próximo domingo (09/05/2010) será comemorado o Dia das Mães e o Café com Ciência não poderia deixar de prestar outra homenagem a todas as mães.

No vídeo acima está o saudoso Sivuca (Itabaiana-PB, 26 de maio de 1930 — João Pessoa-PB, 14 de dezembro de 2006) tocando uma linda valsa composta em 1931 e cuja autoria é de Luperce Miranda (Recife-PE, 28 de julho de 1904 — Rio de Janeiro-RJ, 5 de abril de 1977).

O nome da música é “Quando me lembro”, acho que não teria tema melhor quando falamos em Dia das Mães. As lembranças vêm desde a época de infância, onde levávamos aquela obra-prima feita em uma aula de educação artística e que a mãe (toda-fofa) guardava a pintura dentro de algum livro da estante, até os dias atuais onde a distância é atenuada por uma ligação de feliz dia das mães…

Esta canção achei bastante apropriada para o momento. Espero que gostem, principalmente as mães leitoras deste blog. Acho impressionante como esta música, simplesmente, não é mais tocada nesse mundão de meu deus. Ah, e se as mães quiserem se identificar com comentários será ótimo! 😀

Feliz Dia das Mães!

Curso de Introdução à Astronomia do IAG

maio 5, 2010

Para quem gosta de Astronomia, mas acha que nunca teve oportunidade de estudá-la a fundo e entrar em contato com profissionais da área, sugiro o curso de introdução à Astronomia e à Astrofísica do IAG-USP que será realizado de 19 a 23/07/2010. As inscrições já estão abertas e encerram-se dia 25/06/2010.

Título: “INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA E À ASTROFÍSICA”

Mais informações por telefone, (0xx11) 3091-2710 / 2800 / 2814
FAX: (0xx11) 3091-2860
email: ceu@astro.iag.usp.br
URL: http://www.astro.iag.usp.br/~ceu

P R O G R A M A:

1. Astronomia Fundamental: Uma revisão dos conceitos e grandezas fundamentais utilizados em astronomia;
2. Ferramentas do Astrônomo: Descrição dos instrumentos e técnicas usados em astronomia para obter-se informações sobre os corpos celestes;
3. Sistema Solar: Um visão geral do Sol e do sistema planetário;
4. Dinâmica de Sistemas planetários: A descrição dos movimentos e interações gravitacionais entre os corpos do sistema solar;
5. O Sol: A estrutura interna, as características da superfície e a atmosfera do Sol;
6. Estrelas: Uma descrição das estrelas, suas diversas cores e luminosidades, sua estrutura interna e seu funcionamento;
7. Exoplanetas: uma descrição dos resultados atuais dos projetos de busca de planetas em outros sistemas solares;
8. Evolução Estelar: O funcionamento e o ciclo evolutivo das estrelas de distintos tipos;
9. Meio Interestelar: A estrutura, composição química e evolução do meio interestelar e das nebulosas;
10. Meteorologia: Uma descrição da atmosfera da Terra e das técnicas de previsão de tempo;
11. A Galáxia: A estrutura, a formação e os principais componentes da Via Láctea;
12. Outras Galáxias: Os principais tipos de galáxia, suas características dominantes e evolução;
13. Cosmologia: A estrutura em larga escala e a evolução do universo como um todo;
14. Astrofísica no século XXI: os novos problemas: os principais problemas que atualmente dominam a pesquisa em astronomia.

Organização:
Profs.: Roberto D.D. da Costa e Thais E.P. Idiart
Secretária:
Maria Regina S. Iacovelli

Voltando de terras alienígenas

abril 27, 2010
Hayabusa

Trajetória da sonda japonesa: Hayabusa

Está confirmado no site da agência espacial japonesa, a JAXA. A sonda espacial Hayabusa está retornando à Terra.

Esta sonda foi enviada ao espaço em 9 de maio de 2003 e tinha como objetivo pousar no asteróide Itokawa e retornar à Terra com amostras deste corpo celeste. De fato, ela alcançou o alvo em 12 de setembro de 2005 e fez o pouso em 20 de novembro do mesmo ano. Esta missão lembra a da sonda Stardust já comentada aqui no Café com Ciência.

A Hayabusa foi o primeiro artefato humano a pousar em um asteróide, mas apresentou falhas durante seu pouso no objeto celeste e deixou de enviar sinais por um bom tempo. Surpreendentemente, ela voltou a contactar os cientistas na Terra e está, como esperado anteriormente, em um caminho de volta pra casa. Espera-se que trazendo os materiais coletados uma vez que, devido aos problemas técnicos apresentados, não se sabe se a sonda cumpriu com sua principal missão.

Este feito marcará o retorno à Terra de um artefato humano que tenha visitado terras alienígenas desde a conquista lunar, há cerca de 40 anos atrás. A data prevista para a entrada na Terra é dia 13 de junho deste ano na região de Woomera, Austrália.

O mais interessante é que seu retorno coincide com o achado de um espelho montado sobre um robô e que estava perdido na superfície lunar desde 1971.

Este parece ser o mês do retorno dos desaparecidos!

A Canção do Sistema Solar

abril 21, 2010
Canção do Sistema Solar

Canção do Sistema Solar. Clique sobre a imagem para iniciar o aplicativo flash.

Mais uma obra que une a arte à Astronomia!

Trata-se de uma ideia do pessoal do White Vinyl Design, que produziu música ao considerar os planetas cruzando uma corda sonora imaginária. Esta corda parte do Sol e vai até os confins do Sistema Solar. O ponto onde cada planeta intercepta a corda gera um som que depende da frequência orbital do planeta. Plutão ainda está inserido, isto é bom porque ajuda a contribuir com suas notas musicais.

Na verdade, já há uma obra musical criada em homenagem aos planetas do Sistema Solar. Trata-se da suíte “Os Planetas” composta entre 1914 e 1916 pelo compositor britânico Gustav Holst. Esta obra é composta de 7 movimentos, um movimento para cada planeta.

A Terra está excluída, uma vez que esta obra tem um contexto astrológico, ou seja, parte da ideia da influência dos Planetas sobre nós. Além disso, Plutão também não está incluído, uma vez que este só fora descoberto em 1930. Daí os 7 movimentos iniciais.

Plutão foi adicionado mais tarde (em 2000) pelo compositor britânico Colin Matthews. Como Plutão foi rebaixado à categoria de planeta-anão, de repente terão que rever este puxadinho na obra de Holst.

Abaixo está uma apresentação de parte desta obra (Júpiter) pela Orquestra Filarmônica de Osaka.

As Faces de Leonardo da Vinci

abril 19, 2010

Se preferir, escolha as legendas (subtitles) em português!

Leonardo da Vinci sempre é tema de textos aqui no Café com Ciência. Afinal de contas, ao meu ver, foi a mente mais criativa que a humanidade presenciou ou produziu. Porém, diferentemente de outros pintores famosos (muitos deles seus contemporâneos), aparentemente, Leonardo não fez um auto-retrato. Ao menos não há algo neste sentido e que seja reconhecido por todos estudiosos do pintor. Há algumas suposições, mas nada comprovado, ainda.

Aqui, reproduzo um vídeo indicado pelo Open Culture. Ele trata de um estudo de Siegfried Woldhek que é um cartunista profissional e já desenhou mais de 1100 faces. Reconhecimento de faces é, portanto, um de seus fortes!

Basicamente, ele foi buscar, em todo o trabalho de Leonardo, pinturas onde aparecem faces. Nestas faces, mesmo que as pinturas não representassem auto-retratos, poderia estar escondida a face de Leonardo. Ele excluiu as pinturas onde as faces não são o foco principal do quadro (eliminou os quadros muito vagos ou estilizados) e os auto-retratos de “gente feia” ou caricaturas, uma vez que (segundo Siegfried Woldhek) Leonardo era reconhecido em seu tempo como um homem bonito.

Como resultado final sobraram três pinturas. (a) O famoso “homem velho” que já era atribuído como sendo Leonardo, mas sem maiores comprovações por parte dos historiadores; (b) O Homem Vitruviano, também bastante conhecido e (c) o retrato de um músico. E as comparou!

Ele vai além e mostra a similaridade entre as faces de cada pintura, que aparentam tratar do mesmo homem, mas em idades diferentes. Por fim, ele compara a única face reconhecidamente de Leonardo e que está na escultura de Davi (de Davi e Golias, de Verrochio, que Leonardo posou como modelo quando tinha 15 anos de idade) e também tem características bastantes similares ao “possível” Leonardo das três pinturas anteriores.

Siegfried Woldhek deixa bem claro que são suposições, mas afirma que são suposições com alicerces firmes. Segundo ele, este trabalho não só mostra a face de Leonardo, como mostra seu envelhecimento. De qualquer forma, um belo trabalho onde a inteligência e a imaginação andaram de mãos dadas.

Homenagem ao Dia Internacional da Mulher

março 8, 2010

Não sou bom com as palavras! Então decidi postar algum vídeo com tema científico, de preferência algo relacionado à Astronomia, como minha singela homenagem ao Dia Internacional da Mulher.

Escolhi a Astronomia porque ela é bela e nos mostra o nosso tamanho no Universo. Segundo Neil deGrasse Tyson, um Universo em que não somente estamos nele, mas fazemos parte dele. Estamos nele e ele está em nós.

Como sei que há inúmeras leitoras deste humilde blog, a elas dedico este post. Que continuem lendo e comentando nossos textos!

Este vídeo mostra o “nascer” da Via Látea sob um ponto de vista de um observador no vulcão inativo, Mauna Kea, no Havaí. Lembrando que a Via Láctea é a galáxia onde vivemos. Como estamos em seu plano, não podemos vê-la de cima (ou de baixo) com todo seu padrão espiral. Daí a faixa esbranquiçada (devido às infindáveis estrelas) projetada no céu.

É neste vulcão que estão alguns dos mais poderosos telescópios da Terra. O telescópio que aparece em maior aproximação, com uma espécie de janela aberta na cúpula, é o Gemini Norte. Há um igualzinho no Chile, o Gemini Sul, daí o nome Gemini (gêmeos). Modéstia à parte, já trabalhei com dados científicos de ambos. 🙂

Terremoto e Tsunami – Chile, 2010

março 4, 2010

Animação que mostra as ondas no Oceano Pacífico após o Terremoto de 8,8 mag que ocorreu no Chile (35.846°S, 72.719°W) às 06:34 UTC, 115 km NNE de Concepción, 27 de fevereiro de 2010.

A animação foi criada pela agência americana NOAA, a National Oceanic and Atmospheric Administration (Administração Nacional para os Oceanos e Atmosfera, em tradução livre).

Ao mesmo tempo que catastrófico e mortal, a animação mostra as ondas interagindo com os obstáculos (ilhas e países) à medida em que se propaga oceano a dentro.

A intensidade das ondas é mostrada no gráfico presente na animação.

Interessante que mesmo em escala global, o fenômeno é bem similar às reproduções de ondas em simples tanques aquáticos.

Uma Breve História Sobre Tudo

fevereiro 16, 2010

O vídeo acima é o resultado de um trabalho escolar de um garoto de apenas 17 anos.

Trata-se de um clipe realizado por Jamie Bell, onde ele utilizou 2100 páginas, que dá cerca de 50 cadernos de desenho. O interessante é que foi tudo feito a lápis e manualmente. O responsável pelo trabalho diz que essa obra lhe tomou cerca de 3 semanas. Nem precisa dizer que a nota dele foi a máxima.

Como pode ser visto, a animação aborda desde a evolução da vida na Terra até boa parte da História da Tradição Ocidental. Tudo isso de maneira bem didática e divertida. Uma obra-prima que merece ser compartilhada e divulgada.

Parece que além dos dons artísticos, o garoto prestou bastante atenção nas aulas de História e Biologia, principalmente.

A música (um cancan) é Orphée aux enfers de Jaques Offenbach. Espero que gostem!

Paradoxo da Pedra

janeiro 18, 2010
Rocha

Uma rocha demasiadamente grande e pesada?

Coloquei à venda nas “Casas do Abreu, que o fabricante não dá garantias nem eu”, uma máquina formidável. Trata-se de um robô perfeito projetado para sempre obedecer às ordens de seu dono e somente às dele!

Porém, em uma manhã ensolarada, enquanto se bronzeava em torno de sua piscina semiolímpica, Severina Xique-Xique ordenou que seu escravo perfeito lhe trouxesse um copo de limonada que ficara esquecido na cozinha. Para sua surpresa, o robô não se moveu um único centímetro. Até aparentou exibir um sorriso sarcástico. Para deixá-la ainda mais pasma, Dona Gertrudes (sua sogra megera) manda-o pegar sua dentadura na pia do banheiro. Segundo as promessas do fabricante, o robô deveria, obrigatoriamente, obedecer à Severina, ao mesmo tempo em que deveria, incondicionalmente, rejeitar quaisquer ordens de terceiros (inclusive de sogras). Todavia, o robozinho sai em disparada atrás da dentadura da feliz sogra. Em choque, Severina quase desmaia na piscina.

Obviamente, o robô apresentou mal funcionamento. Pergunto: de quem é a culpa? Do robô? Que deve ser castigado com choques elétricos até voltar a funcionar corretamente. Ou, seria de quem o projetou/fabricou? Acho que ninguém teria dúvidas de que o projetista (eu no caso) teria que voltar à prancheta e refazer as contas. O interessante é que este raciocínio tão simples e óbvio não é aplicado em outras situações similares.

Esta estória sempre me vem à mente quando tentam explicar as desgraças humanas utilizando como pano de fundo a religião e seus mitos fabulosos. A trama começa com o argumento de que um erro (que costumam chamar de pecado) cometido por um de casal há muito tempo manchou nosso futuro. E tudo, absolutamente tudo, de ruim que a humanidade já passou, passa e passará está a este erro relacionado. Este tipo de ideia ajuda a encobrir a falta de evidência de um ser onipotente e que, portanto, poderia interagir em nossos momentos mais difíceis.

O interessante é que nesta situação, o mesmo raciocínio da estória do robô nunca é aplicado. Vamos lá: supondo que originalmente “fomos projetados” para sermos perfeitos, mesmo com o livre arbítrio (que seria um tipo de inteligência artificial ao robô), deveríamos seguir à risca o programado (não matar, não roubar, não assistir o BBB…). E, se não seguimos o que fora especificado a priori, pergunto: “De quem é a culpa?”

Existe um paradoxo sobre a existência de um ser onipotente. Seja esse ser Jeová, Alah ou Padre Cícero.

Em uma de suas variantes, ele afirma: “Se há algum ser onipotente, ele deve ser capaz de criar uma rocha tão grande e pesada que nem mesmo ele seria capaz de erguê-la”.

O paradoxo está no fato de que se tal ser conseguir tirar essa pedra (ou aerolito, como prefere o Vinicius Placco) da cartola ele não terá poder para levantá-la. Se, por outro lado, o misterioso mestre dos deuses não conseguir criar tal pedra, já de antemão será gongado pelos jurados. Sua provável onipotência falhará em qualquer situação.

A pergunta que não sai de minha cabeça é: o Haiti foi, ou é, alguma pedra demasiadamente grande e pesada? Ou o provável ser onipotente anda mais preocupado com outras coisas, como esta, esta ou esta outra. Acho que não custa perguntar se quisermos as respostas.