Archive for novembro \29\UTC 2009

Guernica em 3D

novembro 29, 2009

No vídeo acima, vemos uma animação em 3D de Guernica.

Guernica é uma pequena cidade espanhola (localizada no País Basco) que foi bombardeada pelos nazistas durante a sangrenta guerra civil espanhola. Hitler e a igreja católica apoiaram o ditador Franco, que pôs fim a guerra em 1 de abril de 1939.

Esta foi uma guerra motivada, se é que podemos dizer que há motivos para guerras, por uma fracassada tentativa de golpe de Estado. A guerra civil espanhola durou de 1936 até 1939, logo antes do início de outra insanidade, a segunda guerra mundial.

Revoltado com tamanha insensatez humana, Pablo Picasso pintou, em 1937, o que seria uma de suas mais famosas obras. Esta pintura, impressiona pela mensagem de caos, dor e pânico que só uma guerra pode trazer. Há boatos de que esta obra era algo que Picasso já tinha pintado anos antes do bombardeio, mas que estava sem um tema associado a ela. Com o bombardeio, e a oportunidade de apresentar uma nova obra na Exposição Internacional de Paris de 1937, Picasso acabou por apresentar Guernica ao mundo.

De qualquer forma, é genial!

Anúncios

Café com Ciência para um mundo melhor

novembro 27, 2009

É com grande satisfação que o Café com Ciência aceita o convite da IM Magazine para fazer parte da iniciativa “blogs para um mundo melhor“.

Segundo Sofia Teixeira (que nos fez o convite): “A IM Magazine é uma revista online internacional lida em mais de 120 países e que divulga o melhor que se faz no mundo… para um mundo melhor, em todas as áreas que interessam à humanidade”.

Ficamos muito contentes em saber que nosso blog foi apontado pela IM Magazine como um “blog para um mundo melhor”. O vídeo acima é um dos que consta na seção de vídeos do site, que por sinal é bem completo e repleto de bons textos escritos, e discutidos, por profissionais das mais abrangentes áreas do conhecimento e atividades humanas.

Como um blog voltado à discussão científica, e focado na Astronomia, esperamos que nosso blog possa contribuir com “Informação Multidisciplinar”. Aliás, nisto a Astronomia é uma fonte inesgotável. Ela ajuda a colocar o ser humano em seu devido lugar, e nos faz pensar sobre passado e futuro.

Analogia da Semana – Horóscopo

novembro 25, 2009

De acordo com o interessante sítio Worldometers, neste exato momento (dia 24/11/2009 – 17h47′), a população mundial é estimada em 6.808.046.803 habitantes. E, como já é sabido por todos, são 12 os signos do horóscopo. Assim, após uma rápida conta com meu ábaco, e supondo que os nascimentos estão igualmente distribuídos pelos dias do ano1, é possível concluir que, no dia de hoje, 567.337.232 pessoas terão a mesma sorte (ou azar) que você! Fantástico! Quase 600 milhões de pessoas terão os mesmos problemas no trabalho, no “amor2” e, o melhor de tudo, o mesmo número da sorte!

Além desse aspecto astrológico, gostaria de explorar a história da ação do Sol e dos planetas nas pessoas, ou seja, como a configuração do Sistema Solar no exato momento do seu nascimento influenciou, influencia e vai influenciar (e por vezes determinar) sua vida. Já ouvi essa conversa muitas vezes: alguém que não gosta de astrologia fala que a interação gravitacional entre o médico (ou uma cadeira na sala de parto) e o bebê é maior do que a força entre o bebê e Júpiter, por exemplo. Como eu nunca vi ninguém fazer a conta, chegou a hora de saber se, de fato, a astrologia tem razão (hahahaha).

A Lei da Gravitação Universal de Newton diz o seguinte:

ou seja, a força depende, proporcionalmente, das massas (m e M) e da distância. G é a chamada constante de gravitação universal, de valor 6.67×10-11 m3 kg-1 s-2. Porém, esta força é diretamente proporcional ao produto das massas e inversamente proporcional ao quadrado da distância que as separa. Assim, se eu dobrar a distância entre dois corpos, a intensidade da força gravitacional entre eles diminuirá 4 vezes.

Para as contas a seguir, utilizar-se-ão os seguintes valores para as massas (aproximadas):

  • 2.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000 kg – Sol
  • 2.000.000.000.000.000.000.000.000.000 kg – Júpiter (♃)
  • 330.000.000.000.000.000.000.000 kg – Mercúrio (☿)
  • 13.000.000.000.000.000.000.000 kg – Plutão
  • 50.000 kg – uma carreta carregada com adubo
  • 500 kg – vaca adulta (pastando livremente – antes do almoço)
  • 100 kg – médico (antes de fazer a dieta das estrelas)
  • 3 kg – recém-nascido
  • 0,1 kg – uma coxinha

(Não vou considerar a Terra nas contas, já que a força gravitacional da mesma sobre nós é a dominante – não conheço ninguém que tenha dado um salto tão alto que tenha entrado em órbita. Além disso, vou considerar apenas a força entre dois corpos de cada vez.)

Intensidades das forças entre o recém-nascido e:

  • Sol: 0,017 N – mesma força entre o recém-nascido e o Dr. Hans Chucrutz, se este estiver segurando o bebê no colo.
  • Júpiter: 0,000001 N – Se a carreta estiver parada próxima à janela do quarto a influência é a mesma.
  • Mercúrio: 0,000000008  N – Se o pai da criança estiver comendo a coxinha bem perto da mãe…
  • Plutão: 0,00000000000008 N – Se a Mimosa estiver pastando a menos de 1km do hospital, a vida do rebento será repleta de capim.

Acabei de pensar em outro aspecto. Por que utilizar a data do nascimento? Digo: o bebê já estava vivo na barriga da mãe certo? Será que o tecido epitelial das mulheres possui alguma blindagem contra forças gravitacionais?

Ademais, deixo para o leitor a difícil pergunta: em quem você acredita? Newton ou Oscar Quiroga?

Obs1: O primeiro parágrafo deste texto não é inédito. Eu li uma comparação desse tipo em um texto sobre os mitos da astrologia (notem a letra minúscula) que deve estar perdido em algum backup ou e-mail.  Farei a devida referência quando o encontrar.

Obs2: Muitos devem estar se perguntando: Por que será que ele não mencionou a Lua e suas influências nessa história toda? Bom, o nosso simpático satélite, as marés aqui da Terra e os cortes de cabelo associados às fases da Lua são assunto da próxima analogia!

1 desconsiderei a influência dos chamados “filhos do carnaval”.

2 descobri que existem também os horóscopos do “amor”, “trabalho” e “mensal”. Assim fica mais fácil manter o foco no que realmente importa!

Eta Carinae, música para os ouvidos

novembro 23, 2009

Eta Carinae contém uma das estrelas com maior massa que se conhece. Na verdade, trata-se de um sistema binário.

Neste sistema, uma estrela com massa em torno de 70 e outra com algo ao redor de 30 massas solares giram uma em torno da outra. Essa dança estelar tem um período de 5.53 anos.

Este período, e por consequência, o fato de que são duas e não uma só estrela foi uma descoberta do professor da USP Augusto Damineli.

A estrela maior é mais fria e tem temperatura superficial da ordem de 15000 K. Já a menor é mais quente e apresenta uma temperatura superficial da ordem de 30000 K. Elas emitem ventos fortes que interagem um com o outro de forma intensa e violenta.

Este sistema ainda intriga os cientistas porque só pode ser inferido de forma indireta já que está envolvido em uma espessa cortina de gás e poeira. Abaixo vemos eta Carinae em uma imagem do Hubble. Na verdade, o que vemos é o que foi expelido há centenas de anos atrás. O par de estrelas encontra-se bem no centro onde os lóbulos se encontram. Os dois lóbulos, que dominam o campo da figura abaixo, estendem-se em algo equivalente a 500 (quinhentos!!) Sistemas Solares.

Para se ter uma ideia, o último soluço de eta Carinae foi em meados de 1850 d.C., e naquele momento ela jogou fora (no meio interestelar) algo em torno de 10 massas solares. Naquele momento, tornou-se o segundo objeto mais brilhante no céu noturno.

Aqui, pode-se “brincar” um pouco através de uma ferramenta de ampliação em uma imagem de alta resolução do Hubble na direção da enorme nebulosa de Carina.

Esta nebulosa expande-se por algo em torno de 300 anos-luz e está distante de nós cerca de 7500 anos-luz. E nesta nebulosa enorme, dentre tantos outros objetos celestes que podem ser visualizados na imagem que comentei, encontra-se eta Carinae.

Comprovando a fama do par de estrelas aqui na Terra, achei algo curioso ao navegar pela internet. Há uma nova banda pernambucana chamada, Eta Carinae. Eles misturam vários ritmos e com um estilo próprio têm criado um excelente material.

No vídeo acima, vocês podem assistir ao clipe da música Ecos. Espero que gostem!

Eta Carinae (imagem do Hubble).

Eta Carinae (imagem do Hubble).

Objetos nos céus

novembro 18, 2009

Se você costuma ver objetos estranhos no céu e gostaria de tirar suas dúvidas se se tratam de algum disco voador causando blecautes por aí, seus problemas acabaram. Como ótimo tira-dúvidas, indico o sítio Heavens Above.

É um sítio bem bacana e que mostra a posição atual da ISS (Estação Espacial Internacional), do famoso telescópio espacial Hubble, e dos mais variados satélites artificiais.

Além disso, ainda mostra cartas do céu (não são mapas astrais, por favor…) com as posições de cometas e asteróides.

Para quem mora longe de grandes centros urbanos e, de preferência mais próximo da linha do Equador, este sítio torna-se uma ótima ferramenta para quem queira acompanhar algum “iridium flare“.

Não se preocupe que não se trata de nenhuma marca de naves espaciais. Isto nada mais é do que satélites artificiais que circundam nosso planeta e que logo ao pôr do Sol (para alguém em solo) ainda refletem a luz deste. E, diga-se de passagem, é algo muito bonito de se ver.

São famosos por serem pontos avermelhados, sem o piscar típico de aviões, e bastante rápidos ao cruzar o céu. Em condições climáticas e geográficas propícias, chegamos a ver alguns num único início de noite. A própria ISS quando a vemos, é espetacular. Parece um farol!

Também sugiro um ótimo filme chamado Céus de Outubro. Ele aborda uma história real de um jovem adolescente que ao ver um iridium flare decide que quer trabalhar como construtor de foguetes. O detalhe é que a luz que ele viu era do Sputnik… Daí em diante quem quiser saber mais detalhes que assista o filme. 🙂

Taí uma ótima dica para o próximo apagão. Mas lembre-se antes de consultar os videntes pra saber quando ocorrerá o próximo blecaute. Assim, você poderá escolher seus alvos com calma.

Boa caça às bruxas aos satélites!!

Analogia da Semana – Distâncias II

novembro 16, 2009

Outro dia eu estava assistindo uma aula quando ouvi o seguinte: “podemos considerar as estrelas como objetos não colisionais”. Até aí tudo certo, eu já havia ouvido comentário semelhante antes, mas nunca tinha feito a conta. Então achei que valia a pena fazer um pouco de matemática para saber qual é a probabilidade do mundo acabar.

(Os parágrafos à seguir contém MUITAS aproximações e algumas imperfeições, que foram adicionadas para mostrar que, mesmo fazendo muita força, a chance de duas estrelas colidirem é quase zero.)

O diâmetro do Sol é de quase 1.500.000 km. Vamos supor, para simplificar, que todas as estrelas (inclusive o Sol) possuem o diâmetro 20000 vezes maior do que este valor (o que já é um exagero). Agora digamos que esse diâmetro seja equivalente ao de uma bola de basquete (30 cm). Nesse contexto, a estrela mais próxima do Sol, coincidentemente chamada de Próxima Centauri, estaria à distância de 300 metros. Ou seja, duas bolas de basquete separadas pela distância equivalente a 10 quadras oficiais de basquete. Acho meio difícil acontecer algum acidente. E digo mais, se esse sistema estivesse em São Paulo, o centro da Galáxia estaria em Maceió!

OK, agora vamos supor que estas duas estrelas estão em rota de colisão com velocidade de 300 km/s cada (isso mesmo, 300 km por segundo), ou seja, 600 km/s de velocidade relativa. Fazendo as contas, conclui-se que (dentro desse cenário quase absurdo onde elas viajam em linha reta uma em direção à outra) elas iriam demorar 1600 anos para colidir.

Agora, as hipóteses fajutas:

  • Na escala proposta, o Sol está mais para cálculo renal do que para bola de basquete;
  • A maioria dos objetos gira ao redor do centro da Galáxia, e a velocidade de rotação do Sol ao redor do centro Galáctico é 210 km/s. Isso tudo para dizer que as estrelas estão sob um potencial gravitacional devido ao centro, e o vetor velocidade não está na direção de outra estrela.
  • Na melhor das hipóteses, se as duas estivessesm alinhadas com o centro, apenas uma componente muito pequena da velocidade estaria na direção da linha que liga as duas estrelas. E ainda mais, esses vetores apontariam para a mesma direção, diminuindo ainda mais a chance de um encontro.

Se você ainda não se convenceu, pense novamente no cálculo renal e na bola de basquete separados por 10 quadras de basquete, em São Paulo, girando em torno de uma grande massa situada em Maceió.

Essa história me deu uma boa idéia para outro post sobre cinemática e estrutura da Via Láctea. Mãos à obra!

====================================

UPDATE: Um colega me apontou um erro nas contas: fiz uma pequena confusão de valores. O número 150.000.000 km é, na verdade, a distância Terra-Sol (1 unidade astronômica). Assim, o valor utilizado para os raios das estrelas é 200 vezes a distância entre nós e o Sol!!! Vou arrumar o texto no post e refazer as contas com o raio correto (700.000 km). Então, as estrelas utilizadas para a conta possuem 20.000 vezes o raio solar. Realmente o sono não me fez bem…

UPDATE2: Utilizando valores mais corretos, se o Sol tivesse o diâmetro de uma bola de basquete, Próxima Centauri seria do tamanho de uma bolinha de gude e a distância entre elas seria de 6.000 km (distância entre São Paulo e Santo Domingo – Rep. Dominicana).

E, por fim, nesse novo sistema de referência, a distância entre o Sol e o centro da Galáxia seria 45.000.000 km, ou quase um 1/3 da distância Terra-Sol (que foi o valor que começou com a confusão!)

Top 25 – Astronomia (Aldea Irreductible)

novembro 14, 2009

Ainda nas comemorações do Ano Internacional da Astronomia, sempre ficamos em busca de novidades para colocar no Café com Ciência. E, acompanhando o excelente blog Assim como assim, deparei-me com alguns links para formidáveis vídeos de La Aldea Irreductible.

O vídeo acima, em particular, chamou minha atenção pelas belas imagens astronômicas aliadas a um apurado gosto musical.

Como uma imagem vale mais que mil palavras… Espero que curtam a viagem!

Os observatórios espaciais no ano internacional da Astronomia

novembro 10, 2009
Centro da Via Láctea

Centro da Via Láctea. Imagem composta por dados dos três telescópios espaciais da NASA.

Ainda na comemoração dos 400 anos das descobertas de Galileu, a NASA lançou uma imagem fascinante do coração da Galáxia. E, através de um pôster, distribuiu para escolas, planetários e museus ao redor dos Estados Unidos. Sorte deles por lá.

Trata-se da região central da nossa Galáxia, que usualmente não a vemos na luz visível devido ao obscurecimento causado pelo gás e pela poeira do meio interestelar.

Na figura acima, temos uma imagem composta de informações dos três grandes telescópios espaciais da agência espacial americana. Na região do infravermelho a imagem vem do Spitzer. Na região do visível, a imagem vem do Hubble. Enquanto que na região dos raios-x, a contribuição é do formidável Chandra.

Basicamente, o infravermelho nos dá informações sobre material frio, gás e poeira principalmente, com pouca contribuição estelar. O visível nos dá informações sobre as estrelas, principalmente, e um pouco do material que compõe o meio interestelar. Já os raios-x trazem notícias do mundo mais agitado dos gases quentes, fenômenos violentos de acresção de matéria em buracos negros ou ao redor de estrelas imersas em seus berçários.

Cada observatório espacial ajuda a cobrir uma faixa do espectro eletromagnético. E assim, nos fornece informações decifradas, ou decodificadas, por meio de diferentes mensageiros (os fótons de cada intervalo do espectro eletromagnético). Estes diferentes mensageiros que nos trazem notícias sobre distintos fenômenos astrofísicos. E o melhor, tudo combinado em uma única imagem!

Para entender a imagem acima, os dados do Spitzer estão em vermelho, enquanto que dados do Hubble se misturam um pouco com as informações do Spitzer e estão nas regiões mais amareladas/esverdeadas. O azul que permeia a imagem vem dos raios-x devido, principalmente, ao buraco negro supermassivo que existe no centro da Galáxia. Esse buraco negro central tem uma massa de milhões de vezes a massa de nosso Sol e a matéria que é atraída por ele atinge uma temperatura de milhões de graus Celsius. Daí a emissão em raios-x.

**Lembro aos leitores que hoje é o aniversário de um grande amigo do Café com Ciência, o Marcellus! Felicidades ao nobre blogueiro!

A luz no fim do túnel

novembro 6, 2009

Achamos que tudo estava perdido. Foram milhares (senão milhões) de e-mails perguntando se o Café com Ciência iria aposentar as canecas. Mas algo aconteceu: Nosso estimado colega Tiago nos presenteou com uma cafeteira Arno novinha em folha!

Foi uma agradável surpresa. A nossa Singer realmente não conseguiu continuar. Digamos que, após o último post, ocorreu uma falência múltipla de componentes. Mas ela estará sempre no fundo do armário em nossos corações. Como disse nosso amigo Gleidson (que às vezes participa das nossas reuniões): “quando uma morre, arrumamos outra”. Bom, eu não diria isso com tal desprendimento (e não aplicaria em outras situações da vida), mas vamos em frente!

Resumindo: cafeteira nova, café a todo vapor (literalmente) e alguns cafés novos para experimentar. Isso significa que na próxima semana os posts voltam ao “normal”.

Hoje vou ficar devendo as fotos, devido a minha falta de capacidade de operar uma câmera de telefone celular e um cabo USB, que aparentemente não gostaram do meu computador…

Update: para dar uma força ao sr. Vinicius, segue a foto da dita cuja.

dsc00124

A (triste) arte do improviso

novembro 4, 2009

É com grande tristeza que o Café com Ciência comunica o falecimento da nossa cafeteira Singer S10. Ela, que teve uma vida plena e cheia de grandes aventuras, não sobreviveu ao feriado de finados. Sofreu uma queda durante o banho e quebrou a jarra. Abaixo uma foto retirada logo após o acidente:

cafe01

Para ser bem sincero, ela já não era mais a mesma. No final do ano passado ela teve um problema no interruptor, que acabou sendo substituído por um pouco de durepoxi. Além disso, meses atrás ela começou a sofrer de incontinência…

Nós, ainda na tentativa de resgatar a dignidade construída nesses 15 anos de serviços prestados, tentamos fazer uma operação de emergência sem sucesso. O improviso não foi suficiente para manter o padrão de qualidade do café, como visto logo abaixo:

dsc00122

Nesse ínterim, prestamos nossa homenagem e reiteramos o compromisso com o café de qualidade. Talvez, nessa época sem café, o blog fique um pouco desatualizado, mas faremos o possível para prossegir com nossas vidas.