Vida Fora da Terra

by
Bactéria Deinococcus radiodurans.

Bactéria Deinococcus radiodurans.

A humanidade sempre olhou para os céus em busca das mais variadas explicações. A história nos diz que estas buscas em compreender os céus iam desde à tentativa em se compreender as enchentes, as secas e as cheias de um rio, guerras, nascimento e morte de reis, etc.

Ainda hoje olhamos para os céus. Mesmo sob um ponto de vista científico, olhamos ainda em busca de explicações e de respostas para nossas perguntas mais elementares. Quando tentamos compreender o mecanismo de formação de estrelas ou do nascimento do Universo, ou quando buscamos planetas orbitando em outras estrelas que não nosso Sol, estamos dando um passo na busca de respostas para perguntas bem humanas (no sentido mais geral que essa palavra possa abranger).

De onde viemos? Para onde vamos? Estamos sós? São algumas dessas interrogações. As duas primeiras mais voltadas ao campo da Cosmologia, a terceira mais voltada ao campo da Astrobiologia. Esta última é uma ciência bem recente, enquanto que a primeira data das origens da humanidade.

Na APOD de ontem (logo acima), foi apresentada a imagem de algumas bactérias de espécie D. rad. Esta bactéria está preparada para sobreviver em uma gama de situações e ambientes extremos e, portanto, desperta curiosidade por parte dos cientistas.

Apelidada do Conan, a bactéria, a Deinococcus radiodurans (D. rad) tem demonstrado, em laboratórios terrestres, que pode sobreviver a níveis extremos de radiação, a temperaturas extenuantes, a desidratação e a exposição a substâncias tóxicas. Mais impressionante ainda é o fato de que estas bactérias podem reparar seu próprio DNA, e normalmente dentro de um período de apenas 48 horas.

Este tipo de ser vivo é conhecido como extremófilo. Eles (assim como as D. rad) são de interesse para a NASA devido às suas adaptabilidades a, praticamente, qualquer ambiente.

Recentemente, O DNA da D. rad foi mapeado e com este mapa em mãos os biólogos podem manipular o código genético de maneira a aumentar (ainda mais) as habilidades de sobrevivência destas bactérias. E isto incluiria a habilidade de produzir medicamentos, de limpar água e de liberar oxigênio, tudo para o benefício humano. Só para se ter uma ideia, elas já foram geneticamente modificadas para remover respingos tóxicos de mercúrio.

Provavelmente uma das mais antigas formas de vida ainda existentes, a D. rad foi descoberta, por acidente na década de 50, quando cientistas investigando técnicas de conservação de alimentos não conseguiram matá-la facilmente.

O que fora tido como empecilho e uma praga a se vencer na batalha pela conservação de alimentos torna-se hoje numa das esperanças para a sobrevivência humana em ambientes fora do nosso planeta.

Anúncios

Tags: , , , ,

3 Respostas to “Vida Fora da Terra”

  1. Tiago Almeida Says:

    Sem contar que os adeptos da panspermia gostam de citar a D. rad como uma provável forma de vida que veio de fora do planeta Terra. A evidência que usam para sustentar essa hipótese é a de sua fantástica resistência a condições adversas extremas as quais, segundo os especialistas, não há registros na história da Terra. Dessa forma, teriam desenvolvido essa capacidade de sobreviver em algum outro lugar do universo.

    Não sei o que você pensa sobre isso, mas me parece ser a hipótese mais forte para a teoria da panspermia.

    Um abraço

    • Alessandro Moisés Says:

      “Ainda” não sou muito adepto da panspermia. Pelo menos na versão forte, vida pegando carona!

      Uma versão mais leve até que, ao meu ver, já tá bem comprovada. O trabalho que este post cita, em particular, é um bom exemplo.

      Agora, o fato de tais bactérias, por serem adaptáveis, ou adaptadas, a uma gama de ambientes não são indícios diretos, pra mim, de que tenham vindo do espaço. Claro, tudo isto são opiniões minhas.

      Elas são bem antigas. São dos espécimes mais antigos que ainda existem aqui na Terra. E, por serem antigos, são de uma época onde se exigia bem mais para que um ser vivo sobrevivesse e propagasse sua descendência.

      O fato de, ainda hoje, apresentarem estas características, só me soam como que as mesmas defesas que tinham contra a radiação UV não são nocivas aos dias de hoje. Mesmo que não estejam expostas a tal radiação hoje. Mas há bilhões de anos elas estavam expostas a estas radiações (suponho).

      A adaptabilidade a temperaturas extremas e às outras situações a que nós não estamos expostos hoje, também seguem a mesma linha de raciocínio.

      Não sou expert na área, posso ter escrito um monte de abobrinhas, mas acho que são apenas resquícios de uma época onde tais características foram indispensáveis, e que hoje, pelo menos, não atrapalham.

  2. Palpite Digital Says:

    Comparação do tamanho dos planetas e estrelas…

    Vídeo com uma comparação do tamanho dos planetas do sistema solar e de várias estrelas! O mundo é grande, BH é um ovo. Todo mundo sabe! O universo é enorme, milhares de estrelas, galáxias e planetas em outros sistemas solares! Falando apenas não dá pra…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: