Possibilidade de Adenina em Titã

by
Visão artística de uma paisagem em Titã, com um belo pôr (ou nascer) de Saturno.

Visão artística de uma paisagem em Titã, com um belo pôr (ou nascer) de Saturno.

Cientistas, liderados por Sérgio Pilling e sua esposa Diana P. P. Andrade (ambos da PUC-RJ), descobriram que o ambiente em Titã (uma das luas de Saturno) pode dar oportunidade à formação de adenina, um dos cinco alicerces com os quais se constrói um DNA (ou um RNA).

Experimentos neste sentido, onde se tenta recriar moléculas associadas à vida como a conhecemos, datam desde a década de 50. Naquela época, Stanley Milley e Harold Urey conseguiram construir moléculas de aminoácidos ao recriar o que se considerava ser a atmosfera primitiva da Terra e bombardeá-la com radiação (experimento Milley-Urey). DNA, ainda, não foi recriado em laboratório. Mas o trabalho liderado pelos cariocas foi nesta direção.

Ao gerar, em laboratório, a atmosfera de Titã (uma mistura de nitrogênio e metano), eles bombardearam este gás com raios-X e radiação ultravioleta. Estas são radiações eletromagnéticas que estão em toda parte nos céus. Aqui na Terra temos proteção contra a radiação UV devido à camada de ozônio, ou o que resta dela, e contra os raios-X devido à absorção na atmosfera terrestre. Lá fora, no espaço interestelar, estaríamos expostos a elas. Também, adicionaram um pouco de água para simular material de origem cometária que caía com certa frequência nos primórdios da formação do Sistema Solar.

Durante três dias, eles bombardearam este composto com uma radiação similar ao que Titã teria recebido do Sol durante 7 milhões de anos. Inicialmente, não detectaram nada de espetacular. Mas ao adicionar um calor extra, eis que surge a adenina.

Isto significa que, em um ambiente como em Titã, as bases para o DNA (pelo menos a adenina) poderia surgir se um calor extra for adicionado. Tal calor extra poderá ser fornecido pelo Sol. Numa fase final da evolução solar, quando este se expandir e suas camadas mais externas alcançarem a órbita da Terra (fase gigante vermelha, prevista para ocorrer com o Sol daqui há alguns bilhões de anos), a maior proximidade do Sol com Saturno, e suas luas, poderia fornecer calor suficiente. Na própria lua de Saturno, em regiões próximas à vulcões, este fenômeno também poderia ocorrer.

Em certos aspectos, Titã é mais parecido com a Terra do que qualquer outro objeto do sistema solar, uma vez que apresenta lagos, continentes e nuvens. E, com uma atmosfera rica em nitrogênio e abundância em material orgânico, ele é apontado como algo similar ao que fora a Terra primordial. Além disso, ele pode sustentar um oceano de água líquida sob o gelo, e lá pode haver vida. Daí sua importância quanto ao entendimento do surgimento da vida como a conhecemos. O trabalho pode ser acessado aqui.

Referências:

[1]Sergio Pilling, Diana P. P. Andrade, lvaro C. Neto, Roberto Rittner and Arnaldo Naves de Brito, J. Phys. Chem. A, 2009 (DOI: 10.1021/jp902824v)

O DNA e suas ligações protêicas.

O DNA e suas ligações protêicas.

Anúncios

Tags: , , , ,

10 Respostas to “Possibilidade de Adenina em Titã”

  1. Thomas J. Schrage Says:

    nossa, que legal!
    pena que Titã tá longe. rsrsrs

  2. Alessandro Moisés Says:

    É verdade, mas quem sabe alguma sonda não desce lá e confirma vida fora da Terra…

    Enquanto isso, nossos cientistas se esforçam reproduzindo os ambientes extraterrestres em laboratório!

  3. l.felipeb Says:

    Muito interessante, e mais ainda por ser uma pesquisa liderada por cientistas brazucas… vc teria o artigo original para ceder?

    abraços

  4. Zeca Says:

    Maravilha de trabalho. Só faltaria o calor para que comecem a surgir os elementos básicos da vida. Porém, há um problema, com o calor a densa atmosfera de Titã vai começar a se dissipar e talvez estas condições para a vida desapareçam.

    • Alessandro Moisés Says:

      Não tinha parado pra pensar nisso Zeca. Você está certo.

      Aumento global (posso usar esse termo para uma lua?) na temperatura daria mais energia cinética às moléculas dos gases que compõem a atmosfera da lua. Por consequência, uma grande parte delas alcançaria velocidades o suficiente para escapar da gravidade da lua (velocidade de escape).

      Resta saber se o acréscimo suficiente para disparar a formação de adenina, seria o suficiente para dar tal energia às moléculas dos gases da atmosfera de Titã.

      Na segunda hipótese, um calor local como os dos vulcões podem já estar dando calor o suficiente para criar adenina. Sem maiores efeitos globais.

      Um abraço

  5. Marcellus Says:

    Muito bom, bem legal essa notícia. Seria interessante que existisse vida fora da Terra, mas bem próxima dela.

    A vida é uma eterna disputa existir, porque tudo conspira contra ela. A possibilidade de acontcer é mínima e ainda existem tantas variáveis que podem atrapalhar tudo. Como o que disse o Zeca.

  6. Glicina no cometa Wild 2 – Resultados da Stardust « Café com Ciência Says:

    […] faz muito tempo, reportamos a descoberta de que o ambiente em Titã pode favorecer a formação de Adenina, um dos blocos construtores do DNA, e portanto, […]

  7. ana caroline de paula oliveira Says:

    olha eu nao sei sobre isso ainda! que pena!!!!!

  8. Fernanda Poletto Says:

    Oi, Alessandro

    Esse post tem tudo a ver com o Research Blogging!
    É mole fazer o cadastro: http://www.researchblogging.org/

    Será um ganho e tanto para o RB se o Café com Ciência também estiver por lá.

    Abraço!

    Fer

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: