Archive for junho \29\UTC 2009

Censo Demográfico da Via Láctea – Distribuição das populações estelares pela Galáxia

junho 29, 2009

Chegou finalmente a hora de colocar cada macaco no seu galho (ou cada população estelar no seu componente galáctico). Depois de apresentar a população I, população II e população III, vou tentar (sempre em linhas gerais) descrever como elas se distribuem pela Galáxia.

screen-capture
Figura 1: Galáxia vista de perfil e seus principais componentes

Primeiro devo pedir desculpas pelos desenhos primários, mas como não consegui achar algo do jeito que gostaria, resolvi fazer eu mesmo (clique aqui para a versão original da figura). Eu até tentei desenhar todas as estrelas da Galáxia (algo em torno de 300.000.000.000 de objetos), mas acabei ficando sem grafite.

(um pequeno parênteses para colocar a grande massa da Via Láctea: 1.100.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000 kg)

A Via Láctea possui três componentes principais: o bojo (região central avermelhada em forma de elipsóide), que contém o centro da Galáxia; o disco (região azulada achatada com um diâmetro de 100.000 anos-luz), onde estão localizados os braços espirais e; o halo , região aproximadamente esférica que circunda todos os outros componentes. A figura 1 mostra um esquema da Galáxia vista de perfil com os componentes descritos acima. Como é possível notar, os aglomerados globulares localizam-se no halo, região com menor densidade de gás e de metais. Essa região é o lar das estrelas de população II, incluindo as estrelas pobres em metais mencionadas anteriormente. As velhinhas também podem ser encontradas no bojo, que também acredita-se conter um buraco negro.

Já os aglomerados abertos e as estrelas de população I estão localizados no disco e braços espirais. A figura 2 apresenta uma visão artística (artística? hahaha) da Via Láctea vista de face. É nos braços espirais onde grande parte da ação ocorre: é lá que as estrelas se formam. São locais quentes e com altas densidades de gás. Também é possível localizar na figura 2 o Sol, que se encontra a uma distância de 26.000 anos-luz do centro da Galáxia, e demora mais ou menos 220 milhões de anos para dar uma volta completa na Via Láctea.

screen-capture-1
Figura 2: Galáxia vista de face, mostrando a estrutura espiral

Uma pergunta que fica no ar (ou não): Como é possível saber a qual população uma estrela pertence sem saber sua temperatura nem a quantidade de metais em sua composição? Através de sua velocidade ao redor do centro da Galáxia. A figura abaixo mostra como são as órbitas das estrelas de diferentes populações (Lembrando que os jovens não costumam sair do quintal de casa e os mais velhinhos vão bem longe… e às vezes não voltam).

screen-capture-2
Figura 3: Distribuição de velocidades das estrelas da Galáxia

Ou seja, nada impede que você, olhando para o disco da Galáxia, encontre eventualmente (mesmo que seja muuuuito improvável) uma estrela pertencente ao halo. Vale notar a legenda à esquerda dizendo “disco espesso”. Verdade seja dita: a Galáxia possui outros componentes além dos mencionados. Existem estudos que dividem o disco em disco  extremo (próximo ao plano Galáctico), disco fino e disco espesso (que faz interface com o halo), tanto por características dinâmicas quanto químicas das estrelas. Além disso, estudos recentes mostram que o halo da via Láctea na verdade é dividido em  duas componentes: o halo interno e  o halo externo. Um artigo [1] publicado recentemente, pioneiro nessa área, que sugere que uma parte do halo da Galáxia pode ter sido arrancada de galáxias menores em eventos de fusão. Assim, o trabalho sugere que algumas  (ou muitas) das estrelas do nosso halo podem ser “bastardas”. É mais uma evidência de que o trabalho está apenas no começo…

Referências:

[1] Carollo, D., et al. 2007, Nature, 450, 1020 (astro-ph0706.3005)

Possibilidade de Adenina em Titã

junho 26, 2009
Visão artística de uma paisagem em Titã, com um belo pôr (ou nascer) de Saturno.

Visão artística de uma paisagem em Titã, com um belo pôr (ou nascer) de Saturno.

Cientistas, liderados por Sérgio Pilling e sua esposa Diana P. P. Andrade (ambos da PUC-RJ), descobriram que o ambiente em Titã (uma das luas de Saturno) pode dar oportunidade à formação de adenina, um dos cinco alicerces com os quais se constrói um DNA (ou um RNA).

Experimentos neste sentido, onde se tenta recriar moléculas associadas à vida como a conhecemos, datam desde a década de 50. Naquela época, Stanley Milley e Harold Urey conseguiram construir moléculas de aminoácidos ao recriar o que se considerava ser a atmosfera primitiva da Terra e bombardeá-la com radiação (experimento Milley-Urey). DNA, ainda, não foi recriado em laboratório. Mas o trabalho liderado pelos cariocas foi nesta direção.

Ao gerar, em laboratório, a atmosfera de Titã (uma mistura de nitrogênio e metano), eles bombardearam este gás com raios-X e radiação ultravioleta. Estas são radiações eletromagnéticas que estão em toda parte nos céus. Aqui na Terra temos proteção contra a radiação UV devido à camada de ozônio, ou o que resta dela, e contra os raios-X devido à absorção na atmosfera terrestre. Lá fora, no espaço interestelar, estaríamos expostos a elas. Também, adicionaram um pouco de água para simular material de origem cometária que caía com certa frequência nos primórdios da formação do Sistema Solar.

Durante três dias, eles bombardearam este composto com uma radiação similar ao que Titã teria recebido do Sol durante 7 milhões de anos. Inicialmente, não detectaram nada de espetacular. Mas ao adicionar um calor extra, eis que surge a adenina.

Isto significa que, em um ambiente como em Titã, as bases para o DNA (pelo menos a adenina) poderia surgir se um calor extra for adicionado. Tal calor extra poderá ser fornecido pelo Sol. Numa fase final da evolução solar, quando este se expandir e suas camadas mais externas alcançarem a órbita da Terra (fase gigante vermelha, prevista para ocorrer com o Sol daqui há alguns bilhões de anos), a maior proximidade do Sol com Saturno, e suas luas, poderia fornecer calor suficiente. Na própria lua de Saturno, em regiões próximas à vulcões, este fenômeno também poderia ocorrer.

Em certos aspectos, Titã é mais parecido com a Terra do que qualquer outro objeto do sistema solar, uma vez que apresenta lagos, continentes e nuvens. E, com uma atmosfera rica em nitrogênio e abundância em material orgânico, ele é apontado como algo similar ao que fora a Terra primordial. Além disso, ele pode sustentar um oceano de água líquida sob o gelo, e lá pode haver vida. Daí sua importância quanto ao entendimento do surgimento da vida como a conhecemos. O trabalho pode ser acessado aqui.

Referências:

[1]Sergio Pilling, Diana P. P. Andrade, lvaro C. Neto, Roberto Rittner and Arnaldo Naves de Brito, J. Phys. Chem. A, 2009 (DOI: 10.1021/jp902824v)

O DNA e suas ligações protêicas.

O DNA e suas ligações protêicas.

Censo Demográfico da Via Láctea – População III

junho 24, 2009

Pode-se dizer que uma estrela de população III é semelhante a um E.T. Tem gente que acha que existe. Alguns juram que já viram uma vez. Uns provam teoricamente sua existência e sabem que ninguém nunca vai achar um. Outros acham que é besteira, porém concordam que as teorias sobre eles explicam certos fenômenos. E por último, e não menos importante, existem também os que não acham nada…

É bom lembrar que tanto as estrelas jovens (população I) como as mais velhas (população II) foram classificadas e separadas a partir de observações do comportamento de aglomerados. No caso da população III a situação é um pouco diferente. Por definição, essa população é composta pelas primeiras estrelas formadas no Universo. Dessa forma, existe muita especulação, especialmente sobre a distribuição de massa desses objetos. Alguns dizem que as massas envolvidas são muito baixas. Outros , que as massas são muito altas….

(A próxima série de posts será sobre a “função de criação” das estrelas, que se divide em “função de massa inicial” e “taxa de formação estelar”. A partir dessas quantidades é possível saber quantas estrelas são formadas em determinados períodos de tempo e como é a distribuição de massa das mesmas, dependendo das condições de densidade e temperatura do ambiente.)

A figura acima (que veio deste endereço), mostra uma concepção artística de estrelas de população III. Uma das hipóteses discutidas na literatura especializada (e, na minha modesta opinião, a mais convincente) mostra um cenário com estrelas hiper-massivas (com 100 vezes ou mais a massa do Sol), formadas a partir de um gás “primordial” (ou seja, composto SOMENTE de hidrogênio e hélio), em um ambiente extremamente quente e denso. Como visto anteriormente, estrelas com massas muito altas evoluem rapidamente e terminam suas vidas como supernovas de tipo II. Durante esse evento explosivo, (quase) todos os elementos da tabela periódica são formados, enriquecendo o meio e estimulando a formação da geração estelar seguinte.

Seguindo essa linha de raciocínio, nunca será possível observar efetivamente uma estrela de população III, pois ela nasceu há bilhões de anos atrás e viveu somente alguns milhões. O que pode ser feito então é estudar os padrões de abundâncias de elementos químicos em estrelas de massas baixas (população II – que ainda podem ser observadas pois vivem bilhões de anos) , muito possivelmente formadas à partir das primeiras nuvens enriquecidas do Universo, ou seja, a segunda geração estelar.  Tendo determinadas as quantidades de certos elementos químicos, é possível compará-las com modelos teóricos de evolução de estrelas de população III.

Existem alguns grupos de astrônomos pelo mundo que procuram por estrelas que provavelmente foram formadas nas nuvens pouco enriquecidas nos primórdios da Via Láctea. Esses objetos são chamados estrelas pobres em metais e seu estudo é de vital importância para o ramo das populações estelares. Até hoje, a estrela HE1327-2326 foi o objeto com menor quantidade de metais encontrada até hoje. Esta estrela possui uma quantidade de ferro 400.000 vezes MENOR que a do Sol. Ela é, sem dúvida, um registro fóssil dos primórdios da formação da nossa galáxia.

No último post da série será possível ver como a distribuição das populações estelares pela Galáxia dá aos astrônomos pistas sobre os processos e locais de formação das estrelas, aglomerados e até galáxias ao longo de todo o Universo como o conhecemos hoje.

Stonehenge e o Inverno

junho 20, 2009
Descrição ilustrativa do monumento Stonehenge.

Descrição ilustrativa do monumento Stonehenge. Nesta figura está representada a passagem da luz solar durante o nascer do Sol no solstício de verão no hemisfério Norte.

Amanhã terá início o inverno no hemisfério Sul do planeta. A data é marcada por um evento chamado Solstício de Inverno. Momento que marca a noite mais longa do ano aqui no Sul. No hemisfério Norte é o dia mais longo.

Uma vez que a Terra gira em torno do Sol com uma inclinação de cerca de 23 graus entre seu eixo de rotação e a perpendicular ao plano imaginário na qual ela desliza em torno do Sol, em alguns momentos o hemisfério Sul receberá mais radiação solar do que no Norte. Seis meses após ocorre o contrário. Que é, justamente, o que estamos a vivenciar agora, o início do inverno aqui no Sul devido à menor incidência de radiação solar.

Isto, obviamente, não é nenhum novo conhecimento. Os antigos já preparavam algumas de suas construções levando em consideração estas mensagens dos céus. Em particular, o famoso Stonehenge tem essa característica. Foi desenhado, não se sabe bem por quem, para que o sol do solstício de verão (no Norte, e portanto, de inverno aqui no Sul) passasse por uma porta especial, para alguém posicionado no centro do monumento. Acima, podemos ver uma imagem ilustrativa do Stonehenge.

Os chineses também tiveram uma astronomia há milhares de anos atrás. Hoje em dia há quem estude os manuscritos deles. Ontem, a imagem escolhida no APOD (Astronomical Picture of the Day, site da NASA) foi um desenho de associações estelares sob a perspectiva da china primordial. Nele podemos notar algumas constelações familiares mesmo nos dias atuais. Ursa Maior, por exemplo, é facilmente discernível na parte inferior da figura, assemelhando-se a uma colher.

No site APOD, comentam que a constelação do Órion (o caçador) também está representada. Esta, confesso, não consegui perceber dentro das associações chinesas. A imagem chinesa vai logo abaixo.

Mapa celeste chinês

Trecho do mapa celeste chinês. O mais antigo atlas celeste que se tem conhecimento.

Café com Ciência agora nos Metablogs

junho 19, 2009

É com grande satisfação que comunicamos que o Café com Ciência agora faz parte dos Metablogs de Ciência Anel de Blogs Científicos e Blogs de Ciência.

Leituras, comentários e sugestões são sempre bem-vindos!

Censo Demográfico da Via Láctea – População II

junho 17, 2009

Chegamos então à terceira idade. As estrelas de população II são as velhinhas com mais de 7.000.000.000 anos de idade, que povoam a parte inferior (massas mais baixas) do diagrama de evolução mostrado anteriormente. Além de idosas, algumas dessas estrelas também apresentam  anemia por deficiência de ferro. Enquanto as estrelas de população I possuem em sua composição de 1 a 2% de elementos pesados (metais, ou seja, tudo que não for hidrogênio nem hélio), a população II possui, em média, de 0,1 a 0,01%. Isso quer dizer que estas estrelas foram formadas em ambientes com pouca disponibilidade em metais. E o que isso significa? Este fato pode dar um indício da época de formação da estrela. No início do Universo, ainda não existiam os elementos pesados, que só foram sintetizados aos poucos nos interiores estelares e nas explosões de supernovas… então estrelas com poucos metais (chamadas na literatura especializada de Estrelas Pobres em Metais) são registros fósseis dos primórdios da Galáxia, que ainda “vivem” (e evoluem vagarosamente), ajudando na formação de teorias sobre as origens do Universo.

Quanto à sua dinâmica, as estrelas de população II se comportam de maneira um pouco diferente das estrelas de população I. Senhoras de idade avançada e vasta experiência devido às suas andanças pelo meio interestelar, elas possuem órbitas muito excêntricas e seu movimento não é confinado ao plano Galáctico. São encontradas prioritariamente no bojo e halo da Via Láctea (lembrando novamente que as componentes da Galáxias serão descritas com detalhe num futuro próximo). Pelo fato destas estrelas serem muito velhas, elas tiveram muito tempo para vagar pela Galáxia, e não são encontradas próximas ao seus locais de formação. Mesmo assim, conservam em sua atmosfera informações importantes acerca da composição química da nuvem que as gerou.

(Assim como os jovens, os velhinhos também se reúnem vez ou outra em grupos (aliás, com mais frequência do que imaginamos). São os já conhecidos  bailes da saudade. Nos idos da minha infância existia, lá no interiorzão onde meu pai nasceu, um baile da terceira idade na Casa de Cultura que fazia muito sucesso. O pessoal da melhor idade se aprumava todo e ia paquerar ao som de Nelson Gonçalves. Muitos casamentos depois dos 70 anos aconteceram ali. Era muito legal ver as pessoas alegres e cheias de vida indo encontrar seu par. Um caso bem próximo aconteceu com a mulher que ajudou a criar meu pai e meu tio, e também ajudou a cuidar de mim e de meus irmãos quando éramos crianças (e ajuda até hoje…). Ela, filha de Índios e de vida extremamente simples, saiu de casa ainda criança e nunca teve uma existência fácil. Hoje, aos 71 anos, ainda faz o melhor doce de figo do mundo, anda descalça no asfalto quente, nunca reclama e sorri o tempo todo. Encontrou seu primeiro namorado (que depois virou marido) aos 62 anos, justamente em uma dessas reuniões. Boas lembranças. Sempre que me pego reclamando de alguma coisa besta, lembro dela e paro na hora…)

Bom, voltando à vaca fria, no caso das estrelas  (velhas) de população II, as reuniões são chamadas de Aglomerados Globulares. São estruturas de forma aproximadamente esférica, sendo que seus componentes nasceram de uma mesma nuvem de gás e estão ligados gravitacionalmente uns aos outros. Levando em conta o fato de que as estrelas  em um dado aglomerado não nascem todas com a mesma massa, é possível acompanhar as diferentes formas de evolução estelar dentro do grupo. Em número de estrelas, podem conter desde dezenas de milhares até milhões de objetos.

m80

A figura acima (retirada deste endereço) mostra o Aglomerado Globular M80 (ou NGC 6093 para os íntimos). Esta aglomeração possui (da ordem de) centenas de milhares de estrelas que, como era de se esperar, possuem cor avermelhada, o que nos fornece pistas sobre, entre outros, suas temperaturas. Para uma versão com resolução (muito) maior clique aqui. Na Galáxia, existem em torno de 250 Aglomerados Globulares, com idades que podem chegar a 13 bilhões de anos, talvez tão velhos quanto as primeiras estrelas do Universo. Mas isso é assunto para o próximo post…

1789 d.C. – A queda da Bastilha

junho 15, 2009

Após escrever sobre duas datas importantes que ajudaram a refazer a história da civilização ocidental (476 d.C. – Queda do Império Romano do Ocidente e 1453 d.C. – Tomada de Constantinopla), terminarei esta série com a Queda da Bastilha em 1789, evento que marca a transição entre Idade Moderna e Idade Contemporânea.

Com a queda da Bastilha (acompanhada por uma sucessão de eventos como o Juramento da Péla), a Europa viu o ideário de Liberdade, Igualdade e Fraternidade vencer o absolutismo e o sistema arcáico e desumano de uma sociedade baseada em três castas: o clero, a nobreza e o resto (primeiro, segundo e terceiro estados, respectivamente. Mais tarde esta idéia foi generalizada para o mundo inteiro na famosa divisão: primeiro, segundo e terceiro mundos).

Com este ideal, por exemplo, não fazia sentido a escravidão (supondo, ridicularmente, que em algum momento houve sentido para tal). A classe remunerada surgia, e com ela toda uma revolução social. Não é de se estranhar que a primeira revolução industrial surgiu por volta desta época.

O trabalho braçal já não dava mais conta do crescente mercado consumidor. As potências européias, que ainda insistiam na escravatura em suas colônias como forma de produção, eram pressionadas a abandonar tal sistema pela Inglaterra, a locomotiva da revolução industrial.

Aproveitando o embalo, figuras do porte de Sadi Carnot, Clausius, entre tantos, desenvolveram o que conhecemos como Termodinâmica. Esta surgiu ao se perceber que o vapor de água poderia ser usado para mover coisas, desde trêns até motores em uma indústria. A energia térmica do gás poderia ser convertida em energia mecânica.

Alguns argumentam que, quase, toda a base para a descoberta desta transfomação de energias estava pronta desde a época do Império Romano. E que eles só não pararam para desenvolver máquinas a vapor devido à preguiça intelectual causada pelo trabalho escravo. Para que desenvolver máquinas se tenho centenas (talvez milhares) de escravos trabalhando sob meus açoites?

Para explicar “Newtonianamente” o movimento das partículas dos gases estudados, e a partir daí derivar leis físicas aplicáveis a esta nova área da Ciência, surgiu a Mecânica Estatística. Como existem “zilhões” de partículas em uma pequena quantidade de gás, uma análise minuciosa do movimento de cada uma seria, praticamente, impossível. Daí a idéia de se fazer uma análise estatística, mas bastante precisa. Desta linha de raciocínio destaco Boltzmann.

O desenvolvimento científico desta época não ficou restrito às máquinas. Neste período, onde a “Ordem e Progresso” estavam de mãos dadas com o raciocínio político e científico, surgiu a figura de Darwin, cuja teoria da evolução das espécies está comemorando 200 anos agora em 2009 e que, portanto, dispensa maiores comentários.

Abaixo vemos como a efervescência do momento devido ao calor (literalmente) e o sucesso de suas aplicações influenciam até a visão de um artista, neste caso em particular, o pintor William Turner.

Visão do artista William Turner de um horizonte marítimo à época da Revolução Industrial.

Visão do artista William Turner de um horizonte marítimo à época da Revolução Industrial.

Censo Demográfico da Via Láctea – População I

junho 9, 2009

É a parte jovem da população da Via Láctea, composta por crianças e adolescentes com idades menores do que 7.000.000.000 de anos. O Sol está incluído nessa categoria, com idade próxima de 4.5 bilhões de anos. Essas estrelas são, em sua maioria, muito quentes e azuladas (como visto anteriormente aqui para estrelas de alta massa). Outra forma de diferenciação desses objetos é feita através da análise de sua composição química, sendo que esta população é comparativamente mais rica em metais que as demais (fato curioso: para os astrônomos, todo elemento químico detectado que não for hidrogênio nem hélio é considerado um “metal”).

Como não poderia deixar de ser, populações (em geral) com características distintas vivem em locais também distintos. Ou seja, fatores ambientais (densidade do meio, temperatura e etc.) nos dizem que tipo de estrela vive em determinado local. Pelo fato da população I ser jovem, espera-se encontrar esses objetos próximos aos seus locais de formação, ou seja, em regiões com alta concentração de gás, poeira e altas temperaturas. Essas regiões (por exemplo Regiões HII) localizam-se no disco e braços espirais da Galáxia.

E, por último (mas tão importante quanto) pode-se estudar a dinâmica do objeto, através de, por exemplo, sua velocidade espacial, a forma e orientação da sua órbita ao redor do centro da Via Láctea e sua posição atual no céu. No caso da população I, as órbitas se apresentam com formas quase circulares e confinadas ao plano  Galáctico. Resumindo, as estrelas jovens (diferentemente dos humanos jovens) são bem comportadas, nunca saem da vizinhança e não correm alucinadamente pela rua, sempre ficam na calçada. Claro que sempre existem alguns jovens revoltados que, quando se veem no meio de um lugar muito cheio de gente, acabam explodindo

(Lembrando que no último post desta série tentarei fazer um panorama geral sobre como se apresenta a distribuição das populações na Galáxia, de acordo com as características citadas acima. Talvez então a analogia com bom comportamento, ruas e calçadas fique mais clara).

pleiades

Como de costume, os jovens se reúnem em grupos. No caso das estrelas de população I, essas aglomerações são os Aglomerados abertos e contém da ordem de centenas de estrelas. Uma das aglomerações mais conhecidas são as Plêiades (que podem ser vistas no céu a olho nu), mostradas na figura acima (retirada daqui).

Censo Demográfico da Via Láctea – Introdução

junho 4, 2009

Após tratarmos dos mapas da Via Láctea, berçários e tipos de estrelas, além de um par de outras galáxias próximas e muito importantes, chegou a hora de falar sobre a distribuição dos tipos de estrelas e aglomerados pela Galáxia (lembrando que Galáxia, com G maiúsculo, é o mesmo que Via Láctea).

Esta série está dividida em 4 posts, que são (clique nos links para ver os textos completos):

O estudo de populações estelares é um ramo muito ativo em astrofísica. Nele são estudados (dentre muuuuuuitas outras coisas) aspectos dinâmicos e químicos de estrelas e aglomerados estelares em diferentes tipos de galáxias. Nesse contexto é possível, por exemplo, argumentar se um dado conjunto de estrelas foi formado localmente ou agregado  em uma colisão ou fusão de galáxias. Além disso, através do estudo da composição química e velocidades espaciais das estrelas, pode-se tentar reconstruir seu local de formação, e como este evoluiu até a presente data.

Então, como toda pesquisa experimental que se preze, é necessário coletar o maior número possível de dados, para que se possa fazer estatística de alta qualidade (aliás, existe outro ramo da astrofísica chamado astro-estatística, voltado para análise de dados astronômicos). Para isso, são realizados Surveys (ou buscas sistemáticas), que coletam milhões de dados sobre, por exemplo, as estrelas da Galáxia, tornando possível descrever a distribuição e composição das populações estelares.

Analogia da Semana – Planetas do Sistema Solar

junho 1, 2009

Sexta-feira passada atingimos a marca de 1.000 acessos no Café com Ciência. Ficamos extremamente felizes pois, em quase dois meses de existência, conseguimos atingir um dos nossos objetivos, que é divulgar ciência. Nosso companheiro de blog Moisés não queria deixar as 1000 contagens passarem em branco, e deu a idéia de fazer um post sobre isso.  Como eu estava com uma analogia na cabeça para essa semana, pronto!

Então, em homenagem ao blog, vou utilizar o número 1000. Nesse caso, serão 1000 gramas, ou 1kg. A nossa tão querida Terra possui uma massa de 6.000.000.000.000.000.000.000.000kg. Para comparar esse peso todo com a massa dos outros planetas do Sistema Solar, imaginemos a Terra como sendo uma bolinha de 1kg (o peso de um pacote de feijão). Se assim fosse, os demais planetas teriam as seguintes massas (Obs: Plutão, coitado, não é mais considerado um planeta como a Terra, mas não vou excluí-lo da analogia):

  • Mercúrio: 55 gramas (uma fatia bem caprichada de queijo)
  • Vênus:      815 gramas (um camaleão jovem)
  • Terra:       1 kg (dois pacotes de Café Melita Extra-Forte)
  • Marte:      107 gramas (dois pãezinhos)
  • Júpiter:    318 kg (peso de um cavalo pequeno)
  • Saturno:   95 kg  (meu tio)
  • Urano:      15 kg (uma criança de uns 4 anos)
  • Netuno:    17kg (uma bicicleta)
  • Plutão:      2 gramas (um sachê de adoçante – causa principal de seu complexo de inferioridade).

É interessante notar que os planetas entre Júpiter e Netuno são bem mais pesados que os demais. Estes planetas são chamados de Planetas Jovianos (ou Gigantes Gasosos), por serem compostos principalmente de gás. Já os planetas entre Mercúrio e Marte são os Planetas Telúricos (ou Terrestres) pois são planetas rochosos do mesmo tipo que a Terra. Já Plutão é considerado um Planeta Anão.

OK, estas são as massas. Mas e os tamanhos? São muito diferentes? Bom, uma imagem vale mais do que 1000 (olha ele aí denovo!) palavras:

Figura retirada de: http://www.astro.iag.usp.br/~gastao/PlanetasEstrelas/index.html

Para ver esta figura em melhor qualidade e outras bem legais clique aqui. Só para uma referência, o diâmetro da Terra é de 12.756km, e o de Júpiter é de 142.984km (Saturno, que não aparece, tem um diâmetro de 120.536km). Na figura também são mostrados alguns planetas semelhantes à Plutão (Ceres e Éris) e alguns satélites (Lua e demais corpos mostrados na figura).